fbpx
Whatsapp (31) 3069-8315
atendimento@certificacaolinux.com.br
Tenha o controle da sua rede

Implantar uma ferramenta de monitoramento para um servidor, rede ou dispositivo pode se tornar caro e complexo. O mercado tem diversas soluções de serviços contratados que acabam sendo custosos em longo prazo, e existem soluções em software mais simples e eficientes que podem trazer bons resultados com profissionais de TI bem treinados. Um bom exemplo entre esses serviços é o Zabbix.

Nesse post você vai conhecer um pouco mais sobre o Zabbix, como ele trabalha com o monitoramento de servidores, e entender porque é importante saber como aproveitar esse software. Acompanhe!

O que é Zabbix?

Zabbix é uma ferramenta open source que funciona primariamente em servidores Unix-like, como os que trabalham com Linux, e é usada no monitoramento de redes e serviços, podendo fazer análises de desempenho, de experiência de usuários, e permitindo a administração do software via web.

O Zabbix também pode ser configurado para realizar o monitoramento de celulares – incluindo sistemas iOS, Android, e Windows Phone – e é interessante para serviços de TI por também conseguir realizar ações automáticas de acordo com eventos específicos, gerando métricas automáticas do sistema geral, ou apenas das máquinas monitoradas, através do uso de agentes (programas instalados nas máquinas que passam informações sobre o uso para o servidor).

Para que isso seja possível, o Zabbix trabalha com 3 principais módulos no sistema de monitoramento: o Zabbix ServerZabbix Proxy, e Zabbix Agent.

Zabbix Server

O módulo de servidor do Zabbix é a parte central do software e é o único módulo que só pode ser instalado em Linux ou sistemas Unix. É ele que coleta os dados enviados pelos agentes presentes nas máquinas e também monitora todo o tráfego da rede. O sistema que é acessado via web fica instalado no módulo Zabbix Server, e quando ele detecta algum problema ou anormalidade na rede são gerados alertas para que os problemas sejam verificados.

Para auxiliar na compreensão de falhas da rede e o que pode ser melhorado, o Zabbix Server também armazena dados sobre todas as análises feitas em um banco de dados, criando um histórico que pode gerar gráficos e painéis para informar a equipe de TI.

Zabbix Proxy

A instalação do módulo proxy do Zabbix é opcional, mas ele é quem faz o monitoramento da rede onde está instalado, coleta dados de desempenho e acesso, e envia as informações para o Zabbix Server. O módulo proxy é normalmente usado em casos quando o controle e análise de redes remotas – como filiais de uma empresa – se torna necessário, e o software pode executar suas tarefas sem que sejam necessários administradores de rede em diferentes locais.

Zabbix Agent

O Zabbix Agent é um pequeno software instalado nas máquinas que serão monitoradas. O programa acompanha o desempenho local – como uso dos discos rígidos, consumo de memória, uso do processador e erros ocorridos – e envia os dados coletados ao Zabbix Server, além de alertar a equipe em caso de algum problema.

O uso do Zabbix Agent é importante para que a empresa consiga realizar a manutenção adequada dos equipamentos, evitando custos mais altos, e que possa otimizar seus sistemas. Por ser usado em uma grande diversidade de computadores, o Zabbix Agent pode ser instalado em boa parte dos sistemas operacionais, como: Windows, OS X, Linux, Solaris, HP-UX, AIX, e outros.

Entenda como usar o Zabbix

Para garantir um aprendizado eficiente, é importante fazer cursos que preparem a equipe para o uso do Zabbix no monitoramento de uma empresa. Com uma plataforma open source, ele é aberto a alterações e funciona em diferentes tipos de sistema, oferece uma ferramenta completamente acessível via web e pode monitorar diferentes tipos de hardware.

Quer aprender a usar o Zabbix? Conheça nosso curso!

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Os CPDs viraram fumaça e foram para a Nuvem

O que é Cloud Computing (computação em nuvem)?

Todos com certeza já ouviram falar em Cloud Computing, ou computação em nuvem. Trata-se de uma associação do uso de servidores terceirizados com o poder da internet. O resultado é que serviços, aplicações e arquivos podem ser armazenados e acessados de qualquer lugar, com mais segurança e menos dependência de recursos físicos locais.

Mas existe uma possibilidade de que você ainda não conheça o AWS – Amazon Web Service. Na verdade, o AWS é justamente o serviço de cloud computing da Amazon, uma empresa digital americana e o primeiro centro de dados do AWS no Brasil já está operando em São Paulo há mais de quatro anos.

Como eles são usados pelas empresas?

Os recursos da computação em nuvem, e principalmente do AWS, são muito versáteis. Entre muitas outras possibilidades, o Cloud Computing vem sendo usado pelas empresas para:

  • Armazenamento de documentos pesados ou em grande quantidade (como documentos fiscais ou técnicos);
  • Compartilhamento de arquivos que precisam ser acessados por diferentes departamentos, como planilhas de controle;
  • Gerenciamento cooperativo de projetos através de aplicativos específicos;
  • Troca de mensagens de maneira centralizada, que permite o controle e acesso posterior às comunicações internas e externas.

Vantagens da especialização em AWS e Cloud Computing

Atualmente, a maioria das empresas não tem o menor interesse em manter servidores locais e sua própria estrutura de TI. Utilizar os recursos do Cloud Computing é simplesmente mais prático, mais seguro, mais barato e mais eficiente. Por isso, quem busca se especializar em computação em nuvem vai encontrar boas oportunidades de trabalho – tanto nos ofertantes do serviço, que estão em constante expansão; quanto nas empresas clientes, dando o suporte interno.

O AWS é um dos principais serviços de cloud computing no Brasil e no mundo. Grandes empresas digitais mundiais, como Reddit, Dropbox e Tumblr, usam os serviços de computação em nuvem da Amazon. Para abrir mais campo de trabalho, é uma decisão inteligente se especializar no trabalho com os recursos do AWS.

Por que fazer um curso sobre AWS e Cloud Computing?

Você pode aprender muito simplesmente lendo sobre o assunto pela internet. Na verdade, para ser totalmente honesto, a melhor maneira de começar é justamente pesquisando. Porém, o curso é indispensável para quem busca se especializar de maneira profissional.

Se você quiser saber mais sobre a especialização de Cloud Computing (que inclui um módulo sobre AWS) da Certificação Linux, basta acessar aqui

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Quanto custa colocar servidor na nuvem?

Computação em nuvem é ótimo. Se você precisar de mais HD, CPU ou memória, com poucos cliques você consegue adequar seu servidor para comportar a demanda. Tudo isso gastando pouco ou quase nada de entrada. E quando o fogo baixar, você pode diminuir a CPU, memória ou discos para economizar um bocado.

Dito isso, poucas empresas estão dispostas a empatar um capital grande em compra de equipamentos, links dedicados de Internet, RAID de discos ou mesmo um bom nobreak com gerador de energia. Simplesmente porque faz todo sentido hospedar tudo que você precisa em um datacenter profissional e pagar por horas de uso dos recursos.

Ok, você convenceu seu chefe a mudar para a nuvem, mas quanto custa?

Para responder essa pergunta, você pode criar toda a sua estrutura de computação em uma calculadora na Amazon. Ali você pode especificar quantos servidores precisa, quanto de CPU, de memória, de discos, serviços de banco de dados, serviços de balanceamento de carga e uma infinidade de coisas.

Com essa calculadora fica fácil calcular seus custos. Mas se você precisar de uma ajuda para entender como a calculadora funciona, de uma olhada em nosso curso de Cloud Computing.

Aprenda a Programar em Linux

livro_sistemas_capa Aprenda a Programar em Linux

Programar no Linux em C++

No livro Sistemas Distribuídos: Desenvolvendo Aplicações de Alta Performance no Linux o leitor encontrará os conceitos básicos dos sistemas e os fundamentos da programação distribuída, com ênfase em suas principais características: criação, manipulação e comunicação entre processos e máquinas.

Com a obra, o leitor será capaz de modelar, projetar e implementar uma solução utilizando a distribuição de tarefas, dentro de uma mesma máquina ou em várias. O livro, que oferece códigos-fonte explicados e diversos exercícios para Curso Online, apresenta ainda – para os iniciantes – instruções sobre como utilizar o compilador GNU GCC, depurar programas com o GDB e customizar o Vi para programação.

Apenas 119,00

Por que ler este livro ?

Este livro prático apresenta os conceitos básicos dos sistemas distribuídos e os fundamentos da programação distribuída, enfatizando suas principais características: criação, manipulação e comunicação entre processos e máquinas, com dezenas de programas e exemplos feitos em C++ para o Linux. Você vai ser capaz de modelar, projetar e implementar uma solução utilizando a distribuição de tarefas, dentro de uma mesma máquina ou em várias máquinas.

Lendo este livro você será capaz de:

  • Criar um ambiente de programação em C++ no Linux com compiladores GNU;
  • Manipular processos visando a concorrência, paralelismo e compartilhamento de recursos;
  • Usar as primitivas fork(), exec(), system(), exit() e wait() da programação paralela;
  • Habilitar a comunicação entre os processos através de sinais, condutores pipe e filas de mensagens com as primitivas kill(), signal(), sleep(), popen(), pipe(), msgget(), msgsnd() e msgrcv().
  • Criar um segmento de memória compartilhada com as primitivas shmget(), shmat() e shmdt().
  • Evitar race conditions e deadlocks com o uso de semáforos e manipulação de regiões críticas com as primitivas semget(), semop() e semctl.
  • Usar semáforos binários de Dijkstra P() e V().
  • Criar threads para fazer uso do potencial dos processadores Hyperthreading.
  • Alocar dinamicamente a memória com as funções calloc(), malloc(), free() e realloc().
  • Utilizar a comunicação entre processos através de sockets.
  • Criar programas cliente/servidor com os protocolos TCP e UDP.
  • Criar programas que utilizam chamadas de procedimento remoto RPC
  • Para os iniciantes, contém ainda instruções para utilizar o compilador GNU GCC, depurar programas com o GDB e customizar o Vi para programação.

Dados do Livro:

  • Autor: Ribeiro, Uirá
  • Editora: Nova Terra
  • ISBN: 978-85-61893-27-9
  • Idioma: Portugues
  • Páginas: 461
  • Publicação: 2015
  • Edição: 1a
  • Peso: 850.00 gramas
  • Preço: 119,00

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Você sabe estudar do jeito certo?

Será que você está aprendendo do jeito certo?

Os estilos de aprendizagem definem a forma como conseguimos estudar ou aprender novas informações de forma mais fácil e proveitosa. O mais conhecido deles aponta que os aprendizes são visuais, auditivos ou cinestésicos e que cada pessoa apresenta mais facilidade em um determinado estilo de aprendizagem e mais dificuldade em outros.

Essa é uma teoria amplamente difundida e é bastante provável que você já tenha ouvido falar alguma coisa dela.

Captura-de-Tela-2018-09-28-às-16.31.57 Você sabe estudar do jeito certo?

Em nosso Curso Certificação Linux, nós fazemos uso de todos os estilos de aprendizagem para que você tenha desempenho máximo.

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Mercado pede Analista de Sistema em Linux

O perfil do profissional de TI, especialmente o Analista de Sistemas, mudou muito. Há poucos anos o Analista de Sistemas era aquele profissional que era chamado depois que as decisões importantes eram tomadas, para “botar pra funcionar”. Só que esse perfil mudou.

O Analista de Sistemas hoje está no centro das decisões estratégias das empresas, participando das reuniões de posicionamento de marca, de produto e de serviços. A TI está no centro de toda a inovação, canais de venda, de relacionamento, de logística, gerenciamento de recursos e gerenciamento empresarial.

O Analista de Sistemas que trabalha com Linux conta ainda com um diferencial enorme diante de outros analistas. Pois ele é capaz de adequar diversas ferramentas livres, scripts de shell, pequenos programas em Python (e outras linguagens) para construir soluções robustas, sem a necessidade de alto investimento.

Os Profissionais Linux podem trabalhar desde o suporte ao usuário, até administração de servidores, sistemas operacionais, consultoria, desenvolvimento de software e até pesquisa e desenvolvimento de novas Tecnologias. Enfim, é uma profissão em alta.

O salário deste profissional gira em torno de R$ 3500 até R$ 6500. Quando mais competência o analista puder demonstrar através de certificações e títulos, maior o salário.

Na Catho existem 146 vagas em aberto de analista de sistemas. No Indeed que é especializado em vagas de tecnologia, existem 462 posições em aberto. As vagas invariavelmente exigem conhecimento em Linux.

Você também pode entrar nesse mercado com nosso curso de Linux. Com 8 horas de estudo por semana você será certificado em Linux em 2 meses. Saiba mais sobre nosso curso de Linux

Quanto tempo leva para tirar uma certificação?

Essa é uma pergunta fácil de responder se você sabe quanto tempo tem disponível por semana e tem disciplina para cumprir com sua agenda.

Nosso site de aulas tem uma Agenda Personalizada. Você escolhe o curso, diz quando quer começar, quantas horas tem em qual dia da semana, e o site calcula para você quanto tempo leva para aprender todo o conteúdo.

Não perca tempo, cadastre-se agora em nosso curso, e aprenda com um cronograma só seu!

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Configurar bem o Apache faz toda diferença

apache Configurar bem o Apache faz toda diferençaVocê tem um site? Ele roda no Apache? Então você precisa ler isso.

O Apache HTTPD seguramente é utilizado como servidor Web em pelo menos 70% da Internet. Ele foi criado em 1995 e é disponibilizado em versões para os sistemas operacionais Windows, Novell, OS/2Unix, Linux, FreeBSD, etc. Por ser Open Source, mais antigo e disponível para quase todos os sistemas operacionais garantiram ao Apache sua liderança na Internet.

Mesmo sendo o servidor mais utilizado, sua configuração não é tão simples, uma vez que ele permite uma gama muito grande de possibilidades.

Desta forma, configurar corretamente seu servidor Web do seu site, da sua loja ou blog é muito importante para:

  • Aumentar a velocidade de resposta do site -> Ranking melhor no Google
  • Configurar o HTTPS (site seguro -> O google penaliza os sites sem o cadeado)
  • Garantir que seu site está seguro contra invasores

Se você usa o APACHE HTTPD é muito importante saber configura-lo bem. Se você quer aprender mais sobre o Apache, conheça nosso curso de Apache Web Server e também nosso curso de Mod Security, que é o Firewall de Aplicação do Apache (para garantir que ninguém vai roubar seus dados, injetar coisas no seu banco de dados, ou simplesmente derrubar seu site).

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Crie um servidor de arquivos com Linux

Criar uma rede interna com servidores para compartilhamento e a distribuição de arquivos, que permita impressão remota, e consiga conversar tanto com computadores usando Windows e Linux é uma tarefa mais simples do que parece. Mas para isso, você precisa conhecer o Samba.

Nesse post você vai saber um pouco mais sobre o servidor Samba, como ele funciona, e porque ele pode ajudar empresas e pequenas redes no compartilhamento de dados. Acompanhe:

O que é o Samba?

Samba é um software open source que funciona como servidor em sistemas Linux e Unix, e facilita o compartilhamento e a distribuição de dados em redes que também se comunicam com computadores usando Windows. Como é comum sistemas de TI trabalharem com plataformas criadas para Linux, o uso do Samba se torna essencial para que seja possível transferir arquivos e realizar impressões através da rede entre esses sistemas operacionais diferentes.

Ele foi criado em 1992 pelo australiano Andrew Tridgell quando ele sentiu a necessidade de montar um espaço de disco de um servidor Unix dentro do sistema DOS – do Windows – e desde então é atualizado pela comunidade open source com novas funcionalidades, mais segurança e melhor estabilidade.

O que o Samba faz?

De maneira simples, o Samba é responsável por serviços como:

  • Acesso de arquivos e serviços de impressão;
  • Autorização e autenticação de usuários;
  • Navegação no sistema de arquivos.

Mas além de suas funções básicas, o Samba recebeu atualizações para facilitar serviços que normalmente levariam muito tempo, como o uso do DHCP, que permite ao software enviar novas configurações de rede automaticamente para todos os dispositivos conectados, evitando assim a necessidade de configuração manual.

O sistema de rede do Samba trabalha com autenticação, de forma que é possível proteger arquivos ou pastas específicas usando autorização de usuários ou senhas. Quando um arquivo é colocado na rede, também existe a opção de compartilhar os dados com pessoas específicas (no modo share), onde a senha para o acesso é enviada somente a quem pode visualizar o arquivo.

O Samba também pode ser acessado através de um navegador web, o que é feito a partir de um sistema SWAT (Samba Web Administration Tool), que pode fazer uma ligação direta do servidor com um sistema do Windows Server, e também pode ser usado como FTP com o Ubuntu. Versões atualizadas, como o Samba 4, já dispensam o sistema de servidores da Microsoft e também funcionam como um Active Directory (AD) – uma das principais opções para ambientes que só trabalham com Windows – o que ser uma boa alternativa para cortar os custos de licenças caras.

As vantagens do Samba

O Samba é muito usado em redes que se comunicam com dispositivos que trabalham com versões do Linux voltadas a usuários comuns – como o Ubuntu – e que precisam trocar arquivos com o Windows. Podemos resumir as diversas vantagens de usar o sistema em alguns tópicos:

  • É de graça: por ser um software livre, o Samba trabalha com uma licença que permite seu uso completo gratuitamente, independente do tamanho da empresa ou servidor;
  • É aberto: por fazer parte da iniciativa open source, o Samba permite grandes alterações no código, fazendo com que ele seja mais aberto a novas funcionalidades;
  • Conversa com diferentes sistemas operacionais: a característica mais básica do Samba é promover a troca de arquivos entre diferentes sistemas;
  • Permite o controle de acesso: o Samba permite a criação de usuários – ou grupos de usuários – que podem criar e acessar arquivos específicos controlados por senha.
  • Pode ser usado como FTP: no Ubuntu, o Samba pode ser usado como um servidor FTP para o controle de arquivos remotamente.

Para que seja possível aproveitar ao máximo a capacidade do Samba, é necessário entender bem como ele funciona e como explorar seu potencial. Por isso, antes de trabalhar com esse sistema é importante que a equipe de TI faça um curso e esteja bem preparada para as possibilidades que o Samba pode trazer.

Quer aprender mais sobre o Samba? Conheça nosso curso e descubra diversas possibilidades!

Ainda, aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Por que se tornar um profissional Linux?

É uma profissão desafiadora, para quem gosta de infraestrutura e gosta de montar todos os serviços que hoje são oferecidos na Internet. Grandes empresas como Facebook, Netflix e Google são baseadas no Linux e o utilizam como arcabouço de todos os serviços que proveem aos seus usuários.

É divertido ver o espanto das pessoas quando descobrem que quase toda a população deste planeta azul usa o Linux todos os dias, na sua versão embarcada nos celulares Android e iPhone (Unix Like). Também não é exagero dizer que 95% da Internet funciona no Linux.

Então ser um profissional Linux é saber desenhar, criar, instalar, configurar e manter praticamente tudo que envolve tecnologia.

Na era da núvem, Amazon AWS, Azure, Google Cloud, Kubernets e contêineres, torna-se mais imperativo para um profissional de TI, analista de sistemas, desenvolvedor ou analista de suporte conhecer bem o Linux e as várias possibilidades que ele propicia.

Falando de Brasil, nesta crise toda em que passamos, faz muito sentido as empresas trabalharem com Software Livre, principalmente livre de licenças caras.

Como é o mercado de Linux no Brasil ?

O mercado de Linux é fabuloso. O maior site de empregos em tecnologia dos Estados Unidos dice.com ranqueou o que mais as empresas pedem ao preencher um formulário de vaga. Conhecimentos de “Open Source” aparece em segundo lugar, perdendo apenas para um bacharelado em “ciência da computação”.

Termos como “Docker”, “NoSQL”, e “LAMP” (Linux, Apache, Mysql e Phpadmin) aparecem nos requisitos mais procurados pelos empregadores.

Captura-de-Tela-2017-05-04-às-16.02.54 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

No Brasil não é diferente. O termo “Linux” aparece em 32 vagas no site Cathoo enquanto escrevo esse post. No vagas.com são 125 vagas de Linux. No site manager.com são 411 vagas em aberto. No Ceviu são 429 vagas. E no site especializado em TI, o indeed, são 1.053 vagas. No dice.com são 11 mil vagas. Isso só usando o termo “Linux”. E é claro que se você usar outros termos correlatos, como “cloud”, “infra”, “redes”, “oracle”,”mysql” e outros tantos softwares que rodam no Linux, a quantidade de vagas aumenta muito.

Captura-de-Tela-2016-11-09-às-18.31.47 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Captura-de-Tela-2016-11-09-às-18.31.53 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Captura-de-Tela-2016-11-09-às-18.32.01 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Captura-de-Tela-2016-11-09-às-18.32.08 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Quanto ganha um profissional certificado Linux?

Isso pode variar de qual cidade estamos falando e naturalmente do porte da empresa. Grandes centros do sudeste, como São Paulo, rio de Janeiro e Belo Horizonte, o salário médio pode variar de 3.000 à 13.000,00, dependendo também logicamente da bagagem profissional.

Podemos afirmar que na média, um profissional formado, com certificação LPIC ou CompTia está ganhando na média de 5000-8000. Nada mal para alguém que ainda não exerce funções de gerenciamento, supervisão ou chefia. Se tiver ainda um MBA ou pós-graduação, a remuneração melhora.

Pesquisas também apontam que o salário de um profissional formado com certificação é pelo menos 18% maior que um que não tem a certificação, e 75% dos profissionais que se certificaram conseguiram um aumento de salário logo após obter a certificação.

Se o profissional for optar por ser um consultor, as chances de conseguir mais trabalho e com pagamento melhor aumenta drasticamente se o profissional é certificado. Pois isso dá segurança ao contratante que ele não vai perder seu tempo e investimento.

Captura-de-Tela-2018-09-25-às-22.09.56 Quanto ganha um profissional certificado em Linux?

Como posso começar?

Se você ainda for estudante de sistemas de informação, computação e cursos afins, indico você começar com a certificação da LPI básica, chamada “Linux Essentials”.

Essa certificação é para quem ainda está no estágio “junior” da carreira, entende pouco de Linux e também tem pouca grana para investir na prova.  A prova do LPI Essentials custa US$ 50 e pode ser feita pelo Pearson Vue em várias cidades pelo país.  Ela testa seus conhecimentos básicos em Linux e pode te ajudar muito a conseguir um bom estágio, programa de treinee ou um emprego na faixa de -1500-2500 reais.

Se você já é formado, ou já tem uma certa bagagem, ou está disposto a dar um passo melhor para se firmar no mercado, a melhor opção é você estudar para as provas da “CompTIA Linux+ Powered by LPI”.

Basicamente são duas provas, a LX0-103 e LX0-104. Cada prova custa US$206.00 e se você passar nas duas será certificado CompTIA Linux+ e também LPIC-1. São dois certificados, de duas empresas certificadoras com apenas duas provas.

Porque são duas provas? Bem, a resposta oficial é que o conteúdo é extenso demais para se adequar em uma prova somente. Mas naturalmente podemos pensar que simplesmente “é melhor para os negócios” termos duas provas. Mas vale a pena? Sim. Você vai saltar de um salário na faixa de R$2000,00 para um salário na faixa de R$ 6000,00.

Depois, se você quiser (e recomendo muito que você queira), seguir na carreira Linux, recomendo você fazer as provas para o LPIC-2, com as provas 201 e 202 do Linux Professional Institute (LPI). Com isso você passará para um salário na faixa de 7000-8000.

Se você quiser prosseguir, poderá fazer as provas para o LPIC-3. Neste nível você pode escolher em que você quer especializar. Pessoalmente não recomendo muito. Acredito valer muito mais a pena com um sólido conhecimento em Linux você se especializar nos grandes players de Cloud Computing, como a Amazon AWS, o Azure da Microsoft e o Google Cloud, já que dificilmente as empresas estão investindo em infra-estrutura próprias, com backup, energia, geradores, redundância de links e por ai vai. É muito mais barato e simples migrar para a nuvem. Mas isso requer um profissional treinado em lidar com os recursos da Nuvem, bem como o Linux.

E de nada adianta partir para nuvem sem ter conhecimentos em Linux, pois no fundo, ele estará lá, esperando por profissionais habilidosos e experientes.

Quanto tempo leva?

Isso depende só de você. Tem gente com bagagem consegue estudar para cada prova em uma semana, estudando 4 horas por dia. Se você tiver alguma experiência, mas não muita, pode estudar em 20 dias para cada prova. E se não tiver experiência alguma, ai você pode levar 2 meses para cada prova.

Nosso site de aulas tem uma agenda online, que você diz quanto tempo tem por semana para estudar e ele calcula quanto tempo você levará para vencer o conteúdo.

Aprenda muito mais sobre Linux em nosso curso online. Você pode fazer a matrícula aqui com trial de 7 dias grátis. Se você já tem uma conta, pode acessar aqui.

Gostou? Compartilhe 🙂

Open chat